Escolha uma Página

Fisioterapia Pediátrica para que Serve e Benefícios

por | 2 setembro, 2018

Cuidadores de Idosos para Administração de Medicação

Fisioterapia Pediátrica para que Serve e Benefícios

Algumas técnicas fisioterapêuticas específicas atendem a um grupo determinado pela idade e suas necessidades motoras abrangentes. É o que acontece na Fisioterapia Pediátrica, que atua com pacientes recém-nascidos até crianças no período da puberdade.

A fisioterapia pediátrica estimula o desenvolvimento da criança e realiza exercícios fundamentais no tratamento de patologias, adquiridas ou congênitas, buscando a máxima independência e inclusão dos pequenos na sociedade. Saiba mais sobre a fisioterapia pediátrica em nosso artigo.

Fisioterapia Pediátrica: tratamento com bebês e crianças

A fisioterapia pediátrica atua com crianças de 0 a 12 anos, incluindo também a fisioterapia Neonatal com bebês que possam ter nascido prematuros ou com alguma doença congênita.

Com 12 anos, mesmo que ainda seja considerado uma criança, podemos realizar todos os exercícios de adultos dentro da fisioterapia pediátrica quando pertinentes ao paciente.

Mas no geral, quando mencionamos fisioterapia pediátrica estamos com um foco maior em bebês e crianças até certa idade que precisam de uma fisioterapia infantil na maioria das vezes passiva.

O fisioterapeuta é quem realiza, geralmente, os movimentos para esses pacientes. Quando a criança cresce um pouco mais e começa a entender o que falamos, podemos orientar exercícios para que façam os movimentos de forma ativa.

Um dos maiores estímulos que realizamos com esse grupo é a fisioterapia respiratória pediátrica. Podemos utilizar incentivadores de respiração, como o Triflow e Voldyne, e outras atividades que aumentam e melhoram sua capacidade respiratória.

O quão abrangente a fisioterapia pode ser com uma criança depende da indicação médica e de cada caso clínico.

Atuação do fisioterapeuta em pediatria

A atuação do fisioterapeuta pediátrico é abrangente. Ele trata, na sua área, doenças de variadas origens: neurológicas, respiratórias, musculares, esqueléticas etc. São bebês ou crianças que podem ter paralisia cerebral, síndrome de Down, desvios de postura, problemas respiratórios, entre outros problemas.

Além disso, o profissional nessa especialização precisa ter um enfoque especial na abordagem com seus pacientes, já que eles ainda não são adultos. Atividades lúdicas e o atendimento humanizado são essenciais. É importante também a interação dos pais ou familiares para o trabalho em conjunto.

Fisioterapia Neurológica Pediátrica

Na fisioterapia pediátrica também trabalhamos condições neurológicas dos pacientes. O Brasil teve recentemente uma epidemia do vírus Zika onde diversas crianças desenvolveram microcefalia, precisando realizar o tratamento complementar com a fisioterapia.

Com estas também aplicamos a fisioterapia motora pediátrica. São crianças que muitas vezes não vão andar, sentar, se virar ou ter forças para sustentar a cabeça.

Essa criança também pode ter problemas respiratórios, um pulmão muito deficiente e cheio de secreção. Assim, precisamos realizar percussão, técnicas e manobras da fisioterapia respiratória nas crianças também.

Trabalhamos a parte motora geral com exercícios de equilíbrio, lateralidade, apoio e até a noção de direção: “Levanta o bracinho direito… agora levanta o bracinho esquerdo…”. Essa abordagem é necessária porque a criança com microcefalia, ou com outras condições neurológicas limitantes, possui um déficit motor muito grande.

Pode ser muito difícil para essa criança realizar movimentos simples e entender o que é direita ou esquerda. Ela vai ter um aprendizado difícil, vai demorar a andar, vai demorar a falar. Todo seu desenvolvimento será mais lento em decorrência do cérebro atrofiado.

Temos que trabalhar todos os movimentos anatômicos do corpo com ela. A fisioterapia neuropediátrica age em todas as incapacidades físicas que o paciente apresenta.

Fisioterapia Neonatal e Pediátrica

A fisioterapia pediátrica tem o foco maior em crianças e bebês. São pacientes que às vezes nasceram prematuros, com seis, sete ou oito meses, que precisam ficar incubadora e receber fisioterapia respiratória. O pulmão é o último órgão a ser formado. Muitas vezes essas crianças não estão com o pulmão completamente desenvolvido ao nascerem.

Vamos entender o seguinte: o bebê deveria ficar nove meses dentro do útero para seu pleno desenvolvimento. Quando nasce prematuro, não deveria sofrer todas as agressões físicas com o barulho do hospital, a luz e a própria manipulação que é necessária ser feita.

Por isso, às vezes esse bebê fica com o tampão nos olhos para simular a falta de claridade que teria dentro da barriga da mãe. O prematuro muitas vezes não consegue nem fazer o movimento de sugar para mamar.

A criança que nasce com seis meses pode ter alta apenas com um ano de idade para atingir o peso ideal e o desenvolvimento adequado dos órgãos. São crianças que nascem muito pequenas, às vezes com 500 gramas.

Como o pulmão só se forma nos últimos meses de uma gestação normal, os prematuros precisam do surfactante pulmonar – um líquido existente dentro do pulmão que atua na mecânica da respiração. Assim, quando o bebê nasce com um pulmão que ainda não está formado, nasce sem o surfactante e precisa ficar internado no hospital meses e meses.

Algumas crianças chegam a nascer sem unha, de tão prematuras que são. Outras, na mesma situação, podem estar formando ainda os órgãos genitais. Elas realmente precisam ficar internadas por um bom tempo para terem seu desenvolvimento completo.

Trabalho da fisioterapia pediátrica com bebês prematuros

O que ocorre nessas situações em que o prematuro fica internado por muito tempo? O bebê vai ficar acamado, dentro da incubadora, parado. Vai acumular secreção e ainda pode ter uma pneumonia em virtude do ambiente hospitalar. É sempre um risco, devido às bactérias e toda a exposição, por mais que tenha todo o cuidado médico.

Temos que trabalhar muito com esse paciente lactente a fisioterapia Neonatal, a respiratória e a motora. Quando consegue atingir um bom peso, por volta de 1,800 kg ou 1,900 kg, o bebê tem alta e vai para o ambiente domiciliar.

Porém, tem que ir com acompanhamento fisioterapêutico. O próprio médico prescreve o tratamento durante toda a vida.

E é muito importante que isso seja seguido para o desenvolvimento da criança.

Nós temos um caso clínico de uma paciente que teve uma gestação de trigêmeos. Todos os três nasceram prematuros, com cerca de seis meses. As crianças tiveram que ficar entubadas, respirando por aparelhos. Duas delas saíram melhor, mas uma teve pneumonia e faz fisioterapia respiratória pediátrica até hoje, com quatro anos.

E o tratamento é contínuo porque o pulmão dela nunca mais foi o mesmo, ficou muito sensível. Sempre quando há uma mudança de tempo, apresenta excesso de secreção. O trabalho do fisioterapeuta pediátrico aqui é minimizar os efeitos dessa condição e conseguir ampliar a capacidade pulmonar da criança com exercícios.

Todos esses problemas relacionados ao nascimento prematuro, assim como doenças que já nascem com a criança ou que são desenvolvidas depois, precisam da atuação da fisioterapia pediátrica.

Fisioterapia Pediátrica utiliza abordagens e técnicas amplas

O trabalho do fisioterapeuta tem o objetivo de garantir o máximo de desenvolvimento motor possível às crianças. Sua abordagem é ampla e nem sempre a fisioterapia pediátrica será um tratamento apenas para crianças prematuras.

Essa especialização em fisioterapia atende qualquer criança que tenha, por qualquer motivo, e em qualquer tempo, comprometimentos que necessitem ser tratados com a fisioterapia pediátrica.

Temos o caso clínico de uma criança que nasceu saudável, mas quando começou a caminhar, acabou sofrendo um incidente doméstico. Virou um balde com água em si e ficou alguns minutos sem respirar. Infelizmente essa criança teve uma lesão neurológica.

Nunca mais andou, ficou com os músculos atrofiados e com um pulmão muito debilitado. Precisou também de fisioterapia motora para o resto da vida.

Fisioterapia atua em problemas respiratórios de crianças

Em outra situação, a criança pode não apresentar problema algum até certa idade. Mas, no decorrer do inverno, ter uma bronquiolite (inflamação dos brônquios) que não seja bem tratada e gere uma pneumonia.

Às vezes os próprios familiares acreditam que tratar somente com antibióticos é o suficiente. Então não procuram um tratamento alérgico e o quadro pode piorar para uma bronquite ou asma associada. Talvez esse pulmão nunca mais seja o mesmo e a criança precise de fisioterapia respiratória para o resto da vida.

Quando a caixa torácica é reduzida, o pulmão não se expande ou estabiliza. Vemos pelo raio-X que aquele pulmão não cresceu adequadamente. Todo o desenvolvimento pulmonar fica comprometido pela falta do tratamento correto com fisioterapia.

A fisioterapia pediátrica tem um grande valor para a saúde das crianças. O profissional diversas vezes tem que captar a atenção desse público com jogos e brincadeiras lúdicas que exercitam a movimentação.

O objetivo é sempre minimizar limitações motoras e respiratórias que bebês e crianças possam apresentar e prevenir o desenvolvimento de outros problemas decorrentes de sua condição.

Vejas as últimas notícias em nosso Blog

Fisioterapia Uroginecológica para que Serve e Benefícios

    Fisioterapia Uroginecológica para que Serve e Benefícios Você conhece a Fisioterapia Uroginecológica? Essa especialização da Fisioterapia trata disfunções relacionadas à região pélvica e estimula o fortalecimento dos músculos da área. Mas fisioterapeuta trabalha...

ler mais

Fisioterapia Neurológica: Para que Serve e Benefícios

    Fisioterapia Neurológica: Para que serve e Benefícios Alguns distúrbios neurológicos, sejam temporários ou permanentes, podem prejudicar movimentos essenciais para o equilíbrio corporal e o desenvolvimento motor da pessoa. A fisioterapia neurológica atua...

ler mais

Fisioterapia Respiratória para Retorno à Independência

    Fisioterapia Respiratória para Retorno à Independência Muitas vezes respiramos sem nem perceber todos os movimentos que o nosso corpo realiza para obter oxigênio. Mas quem sofre com problemas respiratórios sabe bem como isso pode ser difícil. É nessa área que...

ler mais

Contatos

Rua Guaiaca, 264
Rio de Janeiro
RJ CEP 21720-330

0800 591 3198

atendimento@sancare.com.br

Escreva pra gente!

Share This