Escolha uma Página

Cuidando de Pessoas Idosas Passo a Passo

por | 17 setembro, 2018

Cuidadores de Idosos para Administração de Medicação

Cuidando de Pessoas Idosas Passo a Passo

O cuidador:

O cuidador é a pessoa contratada pela família para cudar do idoso, porém o cuidador também pode ser alguém da família (cuidador familiar), ou a pessoa mais próxima, ou um amigo.

Geralmente a pessoa que inicia os cuidados é o marido ou a esposa, um filho, ou neto e, na medida que a dependência aumenta, é necessário buscar ajuda médica para que a assistência seja completa.

O ato de cuidar:

O ato de cuidar não caracteriza o cuidador como um profissional de saúde, portanto, o cuidador não deve executar procedimentos técnicos que sejam de competência dos profissionais de saúde, tais como: aplicações de injeção no músculo ou na veia, curativos complexos, instalação de soro, colocação de sondas, etc.

Atribuições do cuidador:

As atribuições que o cuidador vai executar devem ser planejadas junto aos profissionais de saúde e com os familiares, para que a rotina diária seja seguida com horários pré-estabelecidos.

Nesse planejamento deve ficar claro para todos as atividades que o cuidador pode e deve desempenhar.

É bom escrever as rotinas e quem se responsabiliza pelas tarefas.

O cuidador e a equipe de saúde:

É importante que a equipe deixe claro ao cuidador quais procedimentos ele não pode e não deve realizar, quando chamar os profissionais de saúde, como reconhecer sinais e sintomas de perigo, dentre outros.

As ações serão planejadas e executadas de acordo com as necessidades da pessoa a ser cuidada e dos conhecimentos e disponibilidade do cuidador.

Estabelecendo rotina:

A rotina pode facilitar a vida da pessoa dependente, ao mesmo tempo em que ajuda a manter a estrutura familiar, adequando cada caso dentro de sua própria realidade.

Use expressões como Sr. Sra., Dr. Dra. (Esses dois últimos fazendo referências as profissões exercidas anteriormente por essas pessoas).

Incentivando a independência:

Faça com ele e não por ele, incentive-o a realizar tarefas da vida diária, auxilie, faça por ele apenas quando não houver nenhuma capacidade para execução das tarefas como: higiene, alimentação, passeio, isso ajudará a diminuir a ansiedade da pessoa cuidada e da família.

Evite conflitos:

A medida que a dependência e confusão aumentam, com episódios de agressividade inclusive, algum fator maior pode estar associado com estes fatos, como o desenvolvimento de demência senil, por exemplo.

Ajude a pessoa cuidada a manter sua dignidade:

Lembre-se que a pessoa que você cuida está sofrendo muito com a situação, mais que qualquer outra pessoa, portanto evite falar ou discutir assuntos do quadro clínico do paciente na sua presença.

A importância das vacinas para proteção dos idosos:

Não são apenas as crianças e adolescentes que precisam de imunização.
Os adultos e os idosos também precisam vacinar-se, e devem continuar recebendo doses de vacina para proteção de várias doenças.
Fique atento às campanhas de vacinação e verifique as condições de saúde da pessoa idosa cuidada.

Calendário de vacinação do idoso:

• A quantidade de vacinas para idosos não é grande, mas são de grande importância e ajudam a preservar a imunidade;
• A vacina contra a Gripe é a mais procurada nos postos de saúde, mas é preciso estar atento às outras vacinas necessárias a partir dos 60 anos de idade;
• Para seguir o calendário de vacinação é necessário ir ao posto de saúde e obter as vacinas gratuitamente, ou clínicas privadas;
• Guarde o cartão de vacinas, para tomar as vacinas corretamente.

Principais vacinas para idosos:

• Hepatite B (para não vacinados);

• dT (difteria e tétano, adulto – 3 doses em não vacinados);

• Febre Amarela (Reforço a cada 10 anos);

• SRC (tríplice viral, MMR – dose única em não vacinados);

• Gripe (dose anual);

• Antipneumocócica 23 valente polissacarídica (dose única).

Estabeleça diálogos simples:

Procure ter conversas simples, objetivas, sem muitas opções de escolha.

Muitas vezes perguntar sobre qual a preferência da pessoa cuidada, ou mesmo o que quer vestir, pode gerar respostas incoerentes, e ainda contribuirão para o aumento da ansiedade.

Facilite a resposta às perguntas:

Facilitar a resposta é uma estratégia positiva para um diálogo produtivo, por exemplo:

Ofereça duas peças de roupa, para a pessoa escolher uma das duas, dessa forma fica mais fácil decidir.

Assim como com as roupas, ofereça duas frutas como opções de sobremesa.

Ofereça opções simples e de fácil escolha:

Oferecendo sempre duas opções o cuidador ativará o senso de humor da pessoa cuidada e aliviará o estresse pela expectativa criada pela resposta.

Procure rir com ele e não rir dele, algumas situações podem parecer engraçadas para você e não para ele, tenha cautela, seja criterioso e discreto.

Comunicação do cuidador com a pessoa cuidada:

• Converse de maneira mais simples e objetiva possível e, fale pausadamente;
• Use frases curtas e de fácil entendimento;
• Faça perguntas que ela possa entender.

Vestuário:

• Procure deixar as roupas na ordem para que a pessoa possa se vestir, caso consiga;

• As roupas devem ser simples, confortáveis, próprias para o clima do ano;

• Selecione as roupas previamente;

• Evite roupas com acessórios complicados de serem manuseados (botões, etc.);

• É preciso cuidar para que as roupas não fiquem dobradas ao sentar, pois a pressão que as dobras exercem sobre a pele podem virar fator desencadeante para o aparecimento de úlceras por pressão.

Respeito:

Não utilize termos no diminutivo como se estivesse falando com crianças: vovozinho (a), lindinho, bonitinho, fofinho, meu amorzinho.

Não use linguagem com intimidade, como se já o conhecesse há tempos, a menos que você seja orientado pelos familiares a tratá-lo dessa forma.

Observe a pessoa enquanto ela está falando:

• Fale olhando no olho da pessoa cuidada, de frente, não saia de perto enquanto ela fala;
• Observe as condições de próteses dentárias, ou auditivas, que possam estar dificultando a comunicação;
• Não interrompa enquanto a pessoa responde, aguarde a resposta da primeira pergunta, para só após fazer a segunda, a pessoa pode necessitar de um tempo maior para entender o que foi falado e responder adequadamente.

Ambiente favorável:

• Procure ambientes iluminados para que a pessoa possa vê-lo, além de ouvi-lo.
• Evite falar alto, observe os movimentos labiais da pessoa, assim entenderá melhor.
• Ruídos devem diminuídos no local onde a pessoa permanece mais tempo.

Falta de interesse da pessoa pelas atividades:

Conheça suas preferências, a falta de interesse, pode significar que não está gostando da atividade oferecida.

Atualize-se sobre tudo que a pessoa mais gosta:

• Procure estar atualizado quanto aos gostos musicais da pessoa, a música é sempre um bom aliado na comunicação, traz alegria e ternura;
• Conheça a história, atividades que o idoso ainda consegue executar e inclua isso na rotina de lazer

Dificuldades de se expressar durante a comunicação:

Durante a comunicação, o cuidador deve estar atento para algumas alterações na fala ou mesmo na maneira como a pessoa expressa suas ideias, por exemplo: trocar nome de objetos, ou mesmo associá-los a outros objetos, ou gestos.

Cognição comprometida da pessoa idosa (entendimento, percepção).

• Entender apenas parte do que é falado com ela;
• Frases desconexas (sem sentido);
• Dificuldade para escrever;
• Perder o interesse pelo assunto de forma repentina.

Dificuldade em expressar emoções:

Dificuldade para expressar emoções, ou mesmo não saber expressar quando sentir dor, sorrir, ou satisfação, não saber retribuir o carinho de algum familiar.

Comportamentos repetitivos:

Muitas vezes os comportamentos repetitivos da pessoa podem ser sinais de alguma doença neurológica e podem passar despercebidos, mas a recorrência deles deve ser observada e registrada.

Registro das ocorrências diárias:

• Deve ser registrado cada momento em que um episódio aconteceu e quanto tempo durou;
• Após o registro das ocorrências, comunicar a família e ao médico.

Início da perda de Memória:

• O envelhecimento pode incorrer na perda de memória, dificuldade de concentração, esquecimentos;
• Confusão sobre datas e acontecimentos importantes são mais frequentes.
• Situações que podem causar estresse ao idoso.
• As perdas de memória também podem estar relacionadas com acidentes que deixaram traumas, alterações de humor ou depressão.

Artifícios para ajudar a memória:

• Mantenha fotografias dos familiares com os nomes a fim de ajudar a pessoa a reconhecê-los.
• Utilize setas para indicar locais da casa como banheiro, quartos, cozinha, e demais espaços.

Mantenha rotina diária:

• Estabeleça uma rotina repetitiva diária sobre todos os aspectos do dia a dia, como horários desde o momento que a pessoa acorda até a hora de deitar a noite;
• Horários do café da manhã, colação, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia deverão ser os mesmos diariamente;
• Passeios, lazer, atividades que estimulem a memória, devem estar presentes na rotina.

Estimulando a memória:

Estimule o idoso a desenvolver a mente para executar atividades diárias que exercitem a memória como:
• Leitura;
• Palavras cruzadas;
• Quebra-cabeças;
• Canto;
• Assistir a um filme de época adequada a pessoa e, comentar sobre ele;
• Ou simplesmente ouvir uma música preferida no mesmo horário.

Capacidade de aprender:

Trabalhe a capacidade de aprender e lembrar, sendo possível peça para o idoso fechar os olhos durante o banho no chuveiro e peça para ele pegar o sabonete, o shampoo.
Estes objetos estarão sempre no mesmo lugar.

Organizando a rotina do cuidador:

• Organize um lugar fixo como uma pasta com divisões para documentos, receitas, caixinha para guardar as chaves, com essa organização não terá problemas para encontra-los;
• Mantenha próximo: relógios, e calendários de atividades para sua orientação;

Essa rotina é extremamente importante, pois isso ajuda a pessoa a organizar sua mente.

Banho e higiene pessoal:

• Idosos dependentes poderão esquecer da necessidade de tomar banho ou não conseguir fazê-lo, é importante respeitar a dignidade da pessoa;
• Mantenha a rotina do banho da forma mais previsível possível;
• Procurar fazer do horário do banho um momento de relaxamento.

O chuveiro:

• Em alguns casos o chuveirinho pode ser melhor que o chuveiro ou a banheira;
• Simplifique essa tarefa de tomar banho de forma que seja a mais fácil possível para pessoa idosa.

Incentive a pessoa a participar do banho:

• Se a pessoa consegue se banhar, apenas o observe e, faça por ele somente se for necessário.
• Se o idoso se sentir embaraçado, pense que, se possível, esse auxílio deve ser dado por um cuidador do mesmo sexo.
• Procure ajuda quando o banho se tornar difícil ou conflituoso.

Perda da sensação e percepção de frio ou calor:

A pessoa idosa, ou com alguma dificuldade pode ter diminuída a capacidade de perceber ou de expressar as sensações de frio ou calor.

Por isso é importante que o cuidador fique atento às mudanças de temperatura e não espere que a pessoa manifeste querer vestir ou despir um casaco por exemplo.

Relatório sobre a rotina da pessoa cuidada:

• Elabore um relatório diário sobre toda a rotina da pessoa, contendo:
• Horários estabelecidos da alimentação e aceitação da dieta oferecida;
• Medicação;
• Higiene íntima e corporal;
• Variações de humor;
• Qualidade do sono;
• Avaliação das eliminações e quantidade.
• Visitas médicas ou de outros profissionais que fazem parte da assistência.

Incentive a participação do idoso, nas dinâmicas de grupo:

Converse com a família sobre a importância de incluir a pessoa nas dinâmicas de grupo para terceira idade, e nas atividades sociais da família e, da comunidade, tais como:
• Sair para fazer compras;
• Visitar algum parente;
• Ir a uma festa;
• Encontrar os amigos;
• Ir à igreja e demais distrações.

Atividades sugeridas:

• Atividades aeróbias de baixo impacto como: caminhadas, natação, hidroginástica e dança;
• Exercícios resistidos como: ginástica localizada e musculação;
• Alongamentos.

Tornando a casa mais segura para o idoso:

Cerca de 60% dos idosos que sofreram queda, cairão novamente no ano seguinte e, 70% das quedas ocorrem dentro de casa;

Uma casa com idosos deve ser cercada de cuidados, diferente de uma casa comum, afim de evitar riscos de acidentes e quedas, por isso, muitas vezes é preciso fazer algumas adaptações no ambiente para melhor abrigá-los.

Caminhe com segurança:

• Evite andar de meias;
• Os calçados devem ter solados antiderrapantes.

Pisos:

Os pisos de madeira e cerâmica não devem ser encerados, pois ficam escorregadios.

Tapetes:

Os tapetes soltos podem representar uma emboscada devido à dificuldade que os idosos têm durante uma caminhada, com passos mais lentos e arrastando os pés.

Para evitar acidentes como escorregões ou quedas, retire os tapetes e acabe com o desnível.

Móveis: mesas, cômodas, criados mudos e outros objetos

• Retire os móveis dos locais de passagem, para evitar esbarrões;

• Coloque os móveis nos cantos dos cômodos e com proteção nas pontas.

Sofá, cadeira e poltrona:

• O sofá, cadeira e, poltrona devem ser altos, fortes, e firmes o suficiente para que o idoso não faça esforço para se sentar.
• Os locais de repouso devem ter apoio lateral de preferência arredondado, para dar segurança ao sentar e levantar, além de ajudar no equilíbrio.
• Verifique se a cadeira de plástico suporta o peso da pessoa, coloque um lençol, antes de sentá-la, para evitar o contato direto com o plástico, pois pode provocar aquecimento da pele e possíveis lesões.

Camas:

• O colchão e a cama devem estar na altura certa, pois oferece facilidade nas manobras, manuseios e, o ângulo correto para sentar e encostar os pés no chão, assim, com apoio das mãos na cama o idoso consegue se levantar;
.• Não somente a cama hospitalar tem grades, mas, a cama comum também deve ter.

Banheiro:

• Assentos de vasos sanitários sobrepostos para ficar mais fácil o ato de sentar do idoso;
• Instale barras de segurança ao lado e na frente do vaso sanitário, e no box;
• Tapetes antiderrapantes em todo o piso do banheiro, para dar mais equilíbrio, segurança e autonomia;
• Cadeira higiênica quando o equilíbrio estiver muito comprometido.

Iluminação:

• Todos os cômodos da casa devem estar com uma boa iluminação;
• Luzes guia devem estar ao longo de corredores, principalmente à noite;
• Instale interruptores próximos às portas e ao lado da cama;
• Uma luminária com iluminação mais suave para que não ofusque a visão da pessoa, e ao mesmo tempo boa para que o cuidador possa trabalhar durante a noite.

Cuidados com animais:

• Animais são benéficos á saúde, principalmente aqueles que consideramos como membros da família, por isso o cuidado deve ser redobrado;
• A pessoa deve brincar com o pet, sentada para evitar tropeçar e cair;
• Retire os brinquedos do pet que ficaram espalhados pelo chão, ao final da brincadeira.

Cuidado com escadas:

• Instale corrimão dos dois lados;
• Mantenha iluminação nos degraus (sinalizadores);
• Instale tapetes antiderrapantes nas áreas de pisos lisos.

Fios e cabos devem estar com protetores e fixos na parede:

Fios de televisão, de computadores, e cabos não devem estar espalhados pelo chão, pois o idoso pode tropeçar ou se enroscar neles e cair. E a queda poderá trazer muitos prejuízos à pessoa cuidada.

Deixe o chão livre de obstáculos.

Troque fechaduras e maçanetas fixas:

Instale maçanetas e alavancas que abram tanto por dentro quanto por fora.

Cozinha:

• Pisos antiderrapantes;
• Deixe os objetos mais importantes com fácil acesso;
• Armários devem fixados na parede e de fácil alcance;
• Evite usar bancos e escadas para alcançar os objetos.

Utensílios à mesa:

• Enrole fita adesiva ou um pano no cabo dos talheres e, também nos copos, caneta, lápis, pente, escova de dentes, assim os objetos ficam mais grossos e pesados o que facilita a pessoa a coordenar os movimentos para usá-los;

• Coloque a xícara, o prato e o copo em cima de um pedaço de material emborrachado, para que não escorregue, e mantenha próximo da pessoa.

Assistência do cuidador ao paciente, aos utensílios e ao ambiente:

Utensílios:

Atenção quanto à higiene como o paciente, aos utensílios usados diariamente e ao ambiente que o cerca para não exalar odores e deixá-lo em situação de embaraço.

Higiene:

• Evite deixá-lo na umidade (fezes, urina, vômito), o que vai favorecer a formação de escaras, e colocar em risco os sua saúde;
• Higiene oral completa (escovação após cada refeição).
• Irrigação após eliminação (higiene com água e sabão).

Roupa de cama:

A troca de roupa de cama ser trocada diariamente, ou até com maior frequência, se a pessoa realizar eliminações na cama.

Alimentação:

• É importante que a alimentação seja saborosa, colorida e equilibrada, e que respeite as preferências do idoso;
• É preciso variar os tipos de alimentos diários;
• Alimentos que fornecem mais calorias do que o organismo precisa, podem levar ao excesso de peso e obesidade;
• Alimentos que fornecem menos calorias do que o organismo precisa, podem levar a perda de peso e desnutrição.

Vias de administração de alimentação:

Alimentação por via enteral:

Especialmente elaborada para uso por sondas, industrializado ou não, é utilizada exclusiva para substituir ou complementar a alimentação oral em pacientes desnutridos que possam estar desnutridos.

Alimentação por via oral:

• Caracterizada pela ingestão de alimentos pela boca;
• Fácil administração;
• Menor custo operacional.

Alimentação Parenteral:

• Consiste basicamente numa solução ou emulsão preparada para estar em equilíbrio com as demandas do organismo de nutrientes como carboidratos, aminoácidos, lipídeos, vitaminas e minerais;
• Administrada pela introdução do cateter nas veias periféricas dos membros superiores.

Alimentação por sonda nasoenteral:

• É necessária quando a pessoa não consegue manter uma alimentação pelo método convencional (via oral).
• É preciso colocar um tubo flexível no nariz, de forma que ele chegue ao estômago, duodeno ou jejuno.

Alimentação por sonda gástrica, (gastrostomia):

• A sonda é introduzida pela boca, sob anestesia, depois é colocada no estômago;
• A alimentação é encaminhada por um orifício na pele (óstio);
• Vantagem: o tubo, mais curto, encontra-se apenas no estômago e incomoda menos o paciente.

Hidratação:

• Em um dia normal o paciente deve ingerir entre 1,5 a 2 litros de líquidos por dia.
• Tipos de hidratação: por via oral (pela boca), parenteral (veias), por sonda nasoenteral (nariz) e gastrostomia (direto no estômago).

Medicação:

• Uso correto nos horários prescritos ajudam na recuperação da saúde, mantenha os medicamentos sempre em local seco e fresco, longe da umidade;
• Mantenha os medicamentos nas embalagens originais e, depois distribua em caixinhas porta-medicação;
• Materiais para nebulização devem ser guardados secos em uma caixa de plástico com tampa;
• Não guarde a medicação em caixa de madeira ou papelão, pois podem favorecer a formação de fungos;
• Guarde a última receita junto à medicação atual;
• Medicamentos não utilizados, devem ser separados e guardados.

Eliminações:

Observe as eliminações e anote especialmente:
• Consistência;
• Coloração;
• Quantidade;
• Aspecto;
• Odor;
• Horários e a frequências com que elas ocorrem.

Assistência do cuidador à pessoa com dificuldade para dormir:

Geralmente as pessoas com demência, apresentam dificuldade para dormir, trocando o dia pela noite e isso acaba por causar um desgaste enorme ao cuidador.

Sugestões:

• Organize o sono durante o dia, envolva-o em atividades agradáveis;
• Peça ajuda a pessoa para tarefas simples;
• Procure caminhar e dar sempre atividades físicas leves durante o dia;
• Verifique se a cama e as roupas para dormir são as mais confortáveis;
• Procure deixar o ambiente do quarto o mais aconchegante possível;
• Procure orientação médica se a insônia do paciente fato for recorrente, para que haja sejam administrados medicamentos se necessário.

Consciência do cuidado:

Não há dúvida de que a população mais consciente e bem informada atua melhor no cuidado ao idoso.

O grande desafio talvez seja canalizar de forma coerente essa solidariedade que nasce em suas famílias, em suas comunidades, em seus relacionamentos afetivos, nos cursos de formação para cuidadores, para oferecer atendimento de alta qualidade em uma sociedade com uma população cada vez mais idosa.

Vejas as últimas notícias em nosso Blog

Incontinência Urinária em Pessoas Idosas

    Incontinência Urinária em Pessoas Idosas O que é incontinência urinária? Incontinência urinária é a perda da urina pela uretra de forma involuntária, contínua ou intermitente, espontânea ou por esforço físico como rir, tossir, espirrar, etc. pois a pessoa não...

ler mais

Como Cuidadores devem Manobrar e Manusear Pessoas Idosas

    Como Cuidadores devem Manobrar e Manusear Pessoas Idosas Avaliação das condições físicas da pessoa idosa: • Explicar para a pessoa como será feita a movimentação; • Capacidade de colaboração, explicando-lhe para onde será encaminhado e o motivo da movimentação; •...

ler mais

Contatos

Rua Guaiaca, 264
Rio de Janeiro
RJ CEP 21720-330

0800 591 3198

atendimento@sancare.com.br

Escreva pra gente!

Share This